• Login (atualize a página se necessário)
Fabíola Tasca, Parlatório, 2005
Hélio Nunes, (Para que serve a pintura?) Para criar buraco em sabão... dando razão àqueles que não consideram Dalí surrealista, 2011
Lais Myrrha, Memorial do esquecimento (ação #2), 2002
Maria Angélica Melendi, Altar em Tepito, México, DF
Ines Linke e Louise Ganz, Percursos, 2007
Douglas Pego, Beleza Feminina, 2007
Hélio Nunes, Ainda dá para brincar de Malraux em 2008?
Sávio Reale, s/t
Sávio Reale, s/t
Rachel Falcão, Venha a nós o vosso reino..., 2003-2005 (detalhe)

O universo da arte e os espaços urbanos

Casa Fiat, Divulgação mesa redonda O universo da arte e os espaços urbanos

Mesa redonda com Fabíola Tasca, Brígida Campbell e Rodrigo Freitas. Mediação: Rachel de Souza Vianna

Data: 11 de julho, 19h30

Local: Auditório Casa Fiat de Cultura (entrada gratuita sujeita à lotação do auditório – 200 lugares)

Passados mais de cem anos que De Chirico surpreendeu o mundo com seus ambientes metafísicos, a cidade continua sendo um tema fundamental na arte. No entanto, a relação dos artistas com o espaço urbano passou por profundas transformações. Os modernistas trouxeram a cidade para o universo da arte, eternizando sua visão da vida urbana em cenas que retratam praças, avenidas e monumentos. Já os artistas contemporâneos parecem mais atraídos por viadutos, becos ou lugares abandonados. Mas a mudança de foco é talvez menos importante do que a mudança de meios. Pinturas, gravuras e fotografias dão lugar a performances e instalações temporárias. Em um movimento inverso, agora é a arte que se instala no espaço urbano.

Para tratar desse novo modo de perceber e intervir na cidade, os artistas Fabíola Tasca, Brígida Campbell e Rodrigo Freitas vão discutir sobre como Belo Horizonte tem servido como tema e espaço da arte contemporânea.

Encerrando o Ciclo de Palestras da exposição De Chirico – O Sentimento da Arquitetura, a mesa redonda pretende também, retomar as questões tratadas nas palestras anteriores.